Entidades policiais discutem Reforma da Previdência em audiência pública

Por
|

O presidente da FenaPRF, Pedro Cavalcanti, criticou a falta de argumentos do governo para tirar a aposentadoria de risco dos policiais | Foto: Sérgio Vinícius (Agência FenaPRF)

Em audiência pública realizada na Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal sob a presidência provisória do Senador José Medeiros (PSD/MT), diretores e representantes de entidades sindicais das carreiras da segurança pública, além de deputados e senadores ligados à área discutiram por toda a manhã acerca das particularidades e perda de direitos que a Reforma da Previdência (PEC 287/2016) vai impôr aos policiais brasileiros.

Um dos primeiros a pedir a palavra para participar da mesa, o Deputado Major Olímpio (SD/SP) afirmou que os policiais brasileiros são desrespeitados e alegou faltar interesse na valorização das carreiras. “Ao tirar a aposentadoria diferenciada estão tratando os profissionais da segurança pública como o problema da Previdência Social, pelo contrário, nós somos a solução”, afirmou o parlamentar.

A senadora Regina Sousa (PT/PI) afirmou que é importante quebrar o ritmo imposto na tramitação da proposta e que a pressa do Governo Federal em aprovar a Proposta de Emenda Constitucional sem promover a discussão com os setores da sociedade.

Risco de vida constante
O presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), Pedro Cavalcanti, salientou o fato risco que os policiais correm no dia a dia de suas vidas particulares e não só no trabalho. “O policial é submetido ao risco, ao estresse e à insalubridade. É a única carreira que reúne todos esses aspectos. O profissional que normalmente é exposto ao risco, ele encerra essa exposição ao fim da jornada de trabalho diária, já o policial continua sob risco de vida”, afirmou o sindicalista se referindo ao fim da aposentadoria de risco dos policiais proposta pela Reforma da Previdência.

Além de destacar o fator primordial para a manutenção da aposentadoria dos policiais, Cavalcanti destacou o movimento da União dos Policiais Brasileiros. “Se a lógica da reforma for apenas monetária, ela não se sustenta porque os policiais da União não geram custo considerável aos cofres públicos. E mais, teremos uma grande mobilização no dia 18 (de abril) contra essa reforma, nós não aceitaremos ela do jeito que está e vamos lutar até o final”, destacou.

Estudo de expectativa de vida
Pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas (FGV) apresentaram parte do relatório preliminar dos estudos que estão feitos acerca da expectativa de vida dos policiais rodoviários federais. De acordo com os resultados obtidos até o momento, um PRF tem dois anos a menos de vida que outros servidores públicos da União. Além de ter ficado constatado a alto índice de estresse sofrido pelos policiais das estradas brasileiras.

A audiência, dividida em duas mesas, foi composta por presidentes de sindicatos e federações. Estiveram presentes presidentes e diretores de sindicatos e federações de categorias policiais:

1ª Mesa
Gérson Silva – Fundação Getúlio Vargas (FGV)
Kaizô Iwakami Beltrão - Fundação Getúlio Vargas (FGV)
Eric Tatsuya Ota - Fundação Getúlio Vargas (FGV)
Marcelo Fernando Bórsio – Representante da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF)
Pedro da Silva Cavalcanti – Presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF)
Edmar Martins – Coronel, Corregedor-Geral da Polícia Militar do DF

2ª Mesa
Sandro Torres Avelar – Presidente da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (FENADEPOL)
Jânio Bosco Gandra – Presidente da Confederação Brasileira dos Trabalhadores Policiais Civis (COBRAPOL)
Flávio Werneck Meneguelli – Vice-Presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef)
Elias Miler da Silva – Coronel, Diretor da Federação Nacional de Entidades de Oficiais Militares Estaduais (FENEME)
Marcos de Almeida Camargo – Presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF)
Héder Martins de Oliveira – Sargento, Vice-Presidente da Associação Nacional de Praças (ANASPRA)
Marcele Alcântara de Almeida – Vice-Presidente do Sindicato dos Policiais Civis do DF (SINPOL/DF)

 

06.04.2017 - Audiência Pública sobre a Reforma da Previdência

 


A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

 

Notícias Relacionadas:

  1. Entidades sindicais e deputados discutem PEC da Reforma
  2. Comissão aprova requerimento e vai realizar audiência pública para debater sobre a aposentadoria dos policiais
  3. Entidades Policiais fazem campanha publicitária de divulgação da condição diferenciada da atividade policial
  4. Entidades de servidores públicos querem anulação da Reforma da Previdência
  5. Entidades de classe debatem estratégias do estudo da expectativa de vida dos policiais