Entidades Policiais fazem campanha publicitária de divulgação da condição diferenciada da atividade policial

Por
|

Foto: Agência Fenapef

Na tarde de ontem, 1, a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) e juntamente com a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) se reuniram para dar prosseguimento às discussões de ações de publicidade que demonstrem a condição diferenciada da atividade policial e buscar sua valorização e reconhecimento pela sociedade.

Morre um policial no Brasil a cada 17 horas, segundo “mortômetro” divulgado pela Ordem dos Policiais do Brasil. A criminalidade vem cada vez mais perseguindo os policiais e fazendo com que ele seja um alvo 24 horas por dia, durante o expediente e fora dele, inclusive depois que se aposenta, ele leva essa condição para toda a vida.

Estudos apontam que a profissão de policial no Brasil é a mais estressante de todos os ofícios, uma vez que estão entre os profissionais que mais sofrem tensão no trabalho, por estarem constantemente expostos ao perigo e agressões, no enfrentamento de situações de conflito, que demandam sua pronta intervenção.

Os policiais trabalham em escalas que são definidas a partir da dinâmica das atividades e que em muitas vezes excedem o horário normal de trabalho e exigem turnos excedentes, sobreavisos e plantões. É grande o número de doenças físicas e psicológicas decorrentes do exercício da atividade e além dessas adversidades inerentes à atividade policial, as instituições policiais, em geral, não dispõem de assistência psicológica ou assistência à saúde, o que agrava o quadro de adoecimentos e mortes, inclusive por suicídio.

As entidades esperam que o Governo não deixe de considerar essas condições diferenciadas de trabalho dos policiais no projeto de reforma da previdência que vem sendo anunciado. Atualmente a Constituição Federal diferencia em cinco anos o tempo de aposentadoria para os servidores que exercem atividade com risco de vida, como é o caso dos servidores policiais, repetindo o que se aplica mundialmente para os profissionais da área.

A Fenapef, FenaPRF e Sinpol/DF realizaram uma parceria e contrataram o estudo da expectativa de vida dos policiais federais, policiais rodoviários federais e policiais civis do Distrito Federal que está sendo realizado pela Fundação Getúlio Vargas – FGV.

Participaram da reunião o presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais Luís Antônio Boudens, o vice-presidente da Fenapef e presidente do Sindipol/DF Flávio Werneck, a Diretora de Comunicação da Fenapef e Diretora da OPB Magne Cristine, o Diretor de Estratégia Sindical da Fenapef, Júlio César, o Presidente da FenaPRF, Pedro Calvalcanti, e o representante da empresa de comunicação responsável pelo projeto de publicidade.

Fonte: Agência Fenapef

Notícias Relacionadas:

  1. Entidades pleiteiam no TCU contagem de tempo militar para aposentadoria dos policiais
  2. Entidades de classe debatem estratégias do estudo da expectativa de vida dos policiais
  3. Estudo sobre expectativa de vida do policial ganha apoio de outras entidades
  4. FenaPRF acompanha Projeto de Lei que versa sobre a prática de atividade física para policiais e bombeiros
  5. Policiais rodoviários federais do Rio Grande do Norte fazem caminhada por valorização da categoria