FenaPRF reúne mulheres policiais para debater a Reforma da Previdência

Por
|

Na manhã desta quinta-feira (11), representantes sindicais da FenaPRF e SinPRFs reuniram-se com as mulheres policiais na sede do DPRF para debater sobre os impactos da Reforma da Previdência na Segurança Pública e traçar estratégias de atuação contra a PEC 287. Esteve presente na abertura do encontro o Coordenador Geral de Recursos Humanos da PRF, Jesus Caamaño.

As policiais foram esclarecidas sobre diversos pontos do texto aprovado na Comissão Especial que impactarão os PRFs em geral e, em especial, as mulheres PRFs nos próximos anos, bem como os próximos passos na tramitação da PEC 287/2016 no Congresso Nacional.

O Diretor Jurídico da FenaPRF, Tiago Arruda, explanou às presentes sobre a constante luta do sistema sindical da PRF para manter a união contra a proposta de reforma da previdência como um todo. “Se essa PEC passar, não será apenas a idade mínima que prejudicará nossas policiais. A reforma traz inúmeros pontos que prejudicarão a todos, como a divisão da categoria em função da previdência complementar, a falta de regras de transição para as polícias, garantidas aos demais trabalhadores e a precarização das pensões decorrentes da morte dos servidores ativos e dos que ingressaram no serviço público após o estabelecimento do regime de previdência complementar, inviabilizando a segurança pública como um todo”, explicou.

O Vice-Presidente da FenaPRF, Deolindo Carniel, frisou a falta de legitimidade do Governo e do Congresso para a discussão de um tema desta magnitude. “Não podemos aceitar que um Parlamento e um Governo tão comprometidos em escândalos de corrupção sigam prejudicando os trabalhadores e a sociedade brasileira em benefício de uma pequena parcela de interessados de determinados setores econômicos”, disse.

No debate, as mulheres foram convidadas a atuarem buscando o convencimento da categoria, chamando todo efetivo para pressionar os parlamentares nas suas bases políticas.

“É uma briga de Davi contra Golias, mas precisamos nos unir e continuar lutando para desmentir as inverdades que a mídia e o Governo insistem em divulgar, e aumentar a pressão nos Parlamentares para que eles não enterrem o nosso futuro e o da sociedade brasileira”, completou Carniel.

 


A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

Notícias Relacionadas:

  1. Relator da reforma da Previdência confirma idade mínima de 55 anos para policiais
  2. Policiais debatem efeitos da Reforma da Previdência à segurança pública brasileira
  3. STF dá dez dias para Congresso prestar informações sobre reforma da Previdência
  4. Entidades policiais discutem Reforma da Previdência em audiência pública
  5. Servidores vão ao STF nesta quarta (12/06) cobrar a anulação da reforma da previdência