Novembro azul: o homem como protagonista de sua qualidade de vida

Por
|

A campanha do novembro azul surgiu na Austrália como uma vertente de comemorações do Dia Mundial do Combate ao Câncer de Próstata, que é realizado no dia 17 de novembro. Para estender a mobilização, teve início em 2003 ações de combate e prevenção ao câncer de próstata durante todo o mês de novembro.

O responsável por trazer a campanha ao Brasil foi o Instituto Lado a Lado pela Vida. A primeira mobilização em território nacional ocorreu em 2008 de maneira pontual. O objetivo do instituto era trazer ao país uma campanha para quebrar tabus que até hoje envolvem os exames de prevenção ao câncer de próstata.

Atualmente, a doença é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens, somando mais de 13 mil mortes anuais, que leva ao impressionante dado de uma morte a cada 40 minutos. De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), até o final de 2016, o Brasil chegará à marca de 61 mil novos diagnósticos registrados.

Na campanha de 2016, mais do que alertar sobre o câncer de próstata, o objetivo é mobilizar e conscientizar sobre a saúde integral do homem, para que vire rotina exames de prevenção e ações de melhoria da qualidade de vida. Durante todo o mês de novembro, diversas atividades movimentarão a campanha. Entre elas, estão a iluminação na cor azul de importantes monumentos e pontos turísticos espalhados pelo país, distribuição de materiais informativos, fóruns, seminários e palestras.

O melhor caminho para o combate ao câncer de próstata ainda é o diagnóstico precoce. Procure seu médico e previna-se.


A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

Notícias Relacionadas:

  1. Congresso Nacional se ilumina de azul em campanha contra câncer de próstata
  2. Prevenção do câncer de próstata será incluída na Lei de Planejamento Familiar
  3. Congresso em São Paulo apresenta avanços no tratamento do câncer
  4. Campanha alerta população sobre riscos do câncer de próstata
  5. Aposentados do serviço público federal reclamam da perda de qualidade de vida