Presidente da Câmara não demonstra apoio à aposentadoria de risco dos policiais

Por
|

Foto: Sérgio VInícius (Agência FenaPRF)

Em reunião realizada nesta tarde (23), o Deputado Rodrigo Maia afirmou a representantes do sistema sindical dos PRFs que não é a favor da retirada de mais nenhuma categoria da PEC 287/2016 (Reforma da Previdência). Os Sindicatos estaduais dos Policiais Rodoviários Federais e a Federação Nacional da categoria estiveram na presidência da Câmara dos Deputados com o Deputado Hugo Leal, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa da PRF.

Aproveitando a mobilização realizada pela categoria para o Café Parlamentar, diretores de SinPRFs de todo o país e da FenaPRF solicitaram agenda para conversar com o Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ). O novo presidente da Frente Parlamentar em Defesa da PRF, Deputado Hugo Leal (PSB/RJ) conseguiu o espaço mas as notícias não foram animadoras.

Elogio à atuação do sistema sindical
Apesar de não ser a favor de manter a aposentadoria de risco das categorias de segurança pública, Rodrigo Maia elogiou a forma com que os representantes sindicais têm lidado com os parlamentares. “Deixo registrado aqui minha admiração à forma de vocês tratarem os temas aqui na Câmara, sempre com um perfil sereno e mediador, prontos para dialogar”, afirmou o deputado.

Maia prosseguiu afirmando que reconhece as particularidades das carreiras policiais mas que a viabilidade financeira da reforma teria maior peso na atual conjuntura. “A carreira policial tem várias preocupações, como o risco de vida. Mas nós temos que nos preocupar se daqui a alguns anos não vamos estar sentados aqui para discutir como pagaremos a aposentadoria. Por mim não tiraria mais nenhuma carreira do projeto, mas ainda haverá discussão em cima disso porque não depende só a mim”, discursou.

O deputado federal ainda expôs que uma forma mais justa de manter o policial trabalhando com qualidade em idade avançada seria seguir o modelo espanhol. No país catalão, segundo o parlamentar, membros das forças policiais trabalharam até o 65 anos e quando não têm mais vigor para fazer policiamento ostensivo assumem cargos administrativos e ganham o direito de trabalhar remotamente.

Falta de diálogo
Para o diretor parlamentar da FenaPRF, Everson Feuser, o mais gravoso na ação do governo de não considerar a manutenção da aposentadoria de risco é a falta de diálogo por parte do Governo Federal. “Concordamos que tem de haver uma reforma. O que não concordamos é que não se considere nossa expectativa de vida (dos policiais) que é prevista em 60 anos. É triste pensar que nossa categoria morra trabalhando porque os policiais não vão atingir a idade de aposentadoria”, desabafou Feuser.


A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

Notícias Relacionadas:

  1. CTASP convida FenaPRF para participar de Audiência Pública sobre aposentadoria por atividade de risco de vida
  2. Sistema sindical dos PRFs faz agradecimento ao Presidente da Câmara
  3. Policiais Rodoviários Federais se encontraram com presidente de comissão da Câmara dos Deputados
  4. Manoel Junior articula encontro entre o presidente da Câmara e representantes da PRF para tratar da aposentadoria especial para mulher policial
  5. Comissão aprova requerimento e vai realizar audiência pública para debater sobre a aposentadoria dos policiais