Acuado pela greve, governo admite negociar