AGU comprova possibilidade de ministério rever atos e impede pagamento indevido