Aprovados com curso de formação recorrem ao Ministério da Justiça