Category: Notícias Sindicais

Sistema sindical faz trabalho de esclarecimento no curso de formação de novos PRFs

Uma comitiva de diretores da FenaPRF e de sindicatos estaduais está na Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal (ANPRF), em Florianópolis/SC, para se reunir com as 32 turmas de formação dos quase 1200 novos policiais rodoviários federais.

A ida dos representantes da categoria à ANPRF tem como objetivo esclarecer a importância dos sindicatos estaduais e da FenaPRF na vida dos policiais rodoviários federais, em todas as esferas, desde articulações políticas por melhores condições de trabalho e valorização da carreira, passando pela assessoria jurídica em casos relacionados ao trabalho e até o planos de saúde aos policiais de todo o Brasil.

De acordo com o presidente da FenaPRF, Deolindo Paulo Carniel, a iniciativa é fundamental para que a categoria mantenha a unicidade na luta e a valorização do trabalho realizado pelos sindicatos. “Nós estamos aqui para mostrar que toda a dedicação feita pelos sindicatos e pela FenaPRF é em prol de uma categoria mais forte e valorizada e que o nosso trabalho é feito de maneira séria e profissional”, afirmou.

As atividades em Florianópolis tiveram início ainda no final de semana, com o acerto do material que seria apresentado aos alunos PRFs. Esta é a primeira experiência de relacionamento direto entre alunos em formação, instrutores e sistema sindical.

Carniel destacou ainda a importância do trabalho conjunto entre sistema sindical, categoria e administração do órgão, em prol do fortalecimento da PRF. “O sistema sindical dos policiais rodoviários federais agradece à equipe de gestão do DPRF por abrir as portas da academia para que o trabalho em defesa da categoria possa ser apresentado aos nossos futuros PRFs. Nossa convergência de pautas em prol de uma PRF mais forte e de uma categoria mais valorizada deve sempre se sobrepor às eventuais diferenças que naturalmente surgem no caminho. Quem ganha com isso é a categoria e toda a sociedade.”

Compõem a comitiva do sistema sindical dos PRFs em Florianópolis:

Deolindo Carniel – Presidente da FenaPRF
Raphael Casotti – Coordenador de Comunicação da FenaPRF
Alexandre Gonçalves – Delegado representante do SinPRF/SC
Marco Gomes – Presidente do SinPRF/TO e Conselheiro Fiscal da FenaPRF
José Henrique – Presidente do SinPRF/MG
Marcelo de Azevedo – Diretor Jurídico da FenaPRF
Maicon Nachtigall – Presidente do SinPRF/RS
Paulo Sérgio – Coordenador Parlamentar da FenaPRF
Marco de Brito – Diretor Parlamentar do SinPRF/RS
João Martins – Diretor Parlamentar do SinPRF/RS

Álbum de fotos:

FenaPRF na Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal (14 a 18.10.19)

FenaPRF busca PGR por justiça a PRF assassinado

A FenaPRF se reuniu com o Subprocurador-Geral da República, Dr. Domingos Sávio Dresch, na última quinta-feira (10), para denunciar a morosidade da justiça do Estado de Roraima no julgamento e investigação do assassinato do PRF Ivo Seixas, em Boa Vista/RR, ocorrido em abril de 2018.

O presidente da FenaPRF, Deolindo Carniel, trouxe as informações dos fatos ao vice-procurador da República e responsável pela Câmara de Coordenação de Revisão do Ministério Público. “O Ivo estava em Boa Vista para pedir a namorada em casamento e foi assassinado por policiais civis no quarto do hotel. Foi provado, depois da Operação Farsa, da Polícia Federal, que ele não fazia parte da quadrilha que a polícia civil investigava e que o delegado que comandou a operação tentou macular sua imagem, para livrar sua equipe da responsabilização pelo crime cometido“, afirmou.

Carniel solicitou apoio do procurador para que o processo tenha andamento e os culpados sejam punidos. “O delegado responsável pela operação catastrófica havia sido nomeado para um cargo de direção na Polícia Civil pelo Governo do Estado. Após fazermos manifestações de repúdio ele pediu exoneração mas foi nomeado em outro cargo diretivo apenas seis dias depois”, explicou o presidente da FenaPRF.

Receptivo à pauta, Sávio Dresch passou algumas orientações que o sistema sindical dos PRFs poderá fazer para que o tema ganhe celeridade no judiciário. “Preciso que vocês me enviem todas as informações que tiverem sobre o caso para que analisemos a forma da Procuradoria Geral da República (PGR) trabalhar uma movimentação no processo”, explicou o Subprocurador-Geral da República.

Além do Presidente, Deolindo Carniel, também estiveram presentes no encontro, o secretário executivo da 7ª Câmara de Coordenação e Revisão da PGR, João Rosito, e os diretores jurídicos da FenaPRF, Marcelo Azevedo e Tiago Arruda.

Entenda o caso
O policial rodoviário federal lotado em Manaus, Ivo Seixas, estava em Boa Vista/RR em abril de 2018 para visitar a namorada com o intuito de pedi-la em casamento quando foi surpreendido por policiais civis armados em seu quarto de hotel.

As informações do caso dão conta que os policiais entraram atirando e mataram Ivo na hora. O PRF foi acusado, nas redes sociais da Polícia Civil de Roraima, de fazer parte de uma quadrilha de tráfico internacional de drogas. Após operação da Polícia Federal, foi provado que Ivo não era parte do grupo criminoso e que foi assassinado por engano pelos policiais que participavam da operação. Para tentar encobrir o erro, a equipe policial chefiada pelo Delegado Paulo Henrique Tomaz Moreira havia tentado incriminar o PRF morto, acusando-o de ser membro da quadrilha investigada.

Após investigação da Polícia Federal, o delegado e os agentes policiais civis responsáveis pela operação criminosa foram presos, mas atualmente respondem ao processo judicial em liberdade. Em janeiro de 2019, o mesmo delegado foi nomeado como diretor do Departamento de Operações Especiais (Dopes) da Polícia Civil, o que provocou a revolta não apenas dos familiares do PRF assassinado, como também de todos os PRFs e demais operadores de segurança pública.

FenaPRF se reúne com Coordenadores da área de Gestão de Pessoas da PRF para tratar do SISNAR

A FenaPRF se reuniu com a Coordenação-Geral de Gestão de Pessoas da Polícia Rodoviária Federal para discutir os termos do edital do Processo Seletivo de Remanejamento (SISNAR).

No encontro, que contou com a presença do Coordenador-Geral de Gestão de Pessoas (CGGP) e com o Coordenador substituto, Rômulo Leite e Juryon Salgues, respectivamente, o vice-presidente da FenaPRF, Dovercino Neto, levou questionamentos da categoria relacionados ao processo seletivo, com destaque para três pontos:

  1. A escolha dos locais pelos servidores interessados, mesmo com a ausência da quantidade e disponibilidade das vagas por unidades em todo o país;
  2. A limitação a duas opções de preferência para os policiais interessados na remoção; e
  3. A previsão de critérios diferentes na atribuição das pontuações aos servidores que foram removidos dentro de unidades regionais (Superintendências);

Os Coordenadores destacaram a busca por um processo o mais justo e claro possível aos interessados, esclarecendo os questionamentos levantados nos seguintes termos:

  1. Sobre a ausência inicial da quantidade de vagas por localidade e a exigência de apontamento das unidades de interesse por parte dos servidores antes dessa indicação, tal fato se deveu em razão da necessidade de levantamento das informações de servidores interessados na remoção e localidades de maior interesse para, a partir desses dados, realizar o apontamento da quantidade de vagas por unidade.

    Assim, é necessário um prévio cruzamento dos locais de lotação atual dos inscritos, dos locais de interesse e vagas do concurso atualmente em andamento. A partir desse levantamento, as vagas por unidade serão divulgadas, ocasião em que os servidores inscritos poderão alterar as unidades de interesse, de forma que não sejam prejudicados caso a unidade inicialmente indicada não tenha vagas ou tenha uma quantidade limitada.

    Os Coordenadores reforçaram ainda que, nesse primeiro momento, os servidores interessados em participar do SISNAR devem apontar com exatidão a localidade de interesse, já que essa informação será fundamental para subsidiar os estudos que determinarão a quantidade de vagas por unidade.

    Uma vez que será oportunizado aos servidores inscritos um prazo para alteração das unidades de interesse após a divulgação das vagas, essa escolha prévia não resultará em prejuízos aos policiais.
  2. Sobre a restrição a duas opções de preferência por servidor, ela foi necessária para permitir esse cruzamento de dados de interesse de saída e de entrada por unidade, e assim subsidiar o apontamento de vagas para cada localidade. A ampliação da quantidade de opções por policial, nesse momento, poderia trazer atrasos ao processo, ampliando exponencialmente os cálculos e possibilidades, e dificultando assim o atendimento do maior número possível de servidores.

    Diante dos riscos de eventuais servidores serem prejudicados com essa limitação, os Coordenadores se comprometeram em avaliar a possibilidade de ampliação do número de opções na segunda fase do processo, após a disponibilização da quantidade de vagas por unidade.
  3. Sobre os critérios de pontuação nas remoções regionais, os Coordenadores esclareceram que a regra é que a pontuação do servidor é zerada sempre que ocorre qualquer movimentação na lotação do servidor, excetuadas aquelas que envolvem unidades localizadas na mesma região metropolitana. Porém, em algumas remoções já realizadas, o gestor regional solicitou, no âmbito do processo de instrução, a manutenção da pontuação do servidor, visando assim viabilizar a remoção e atender o interesse da administração na movimentação.

Dúvidas
Publicado esta semana, o edital do Processo Seletivo de Remanejamento (SISNAR) levantou questionamentos de diversos policiais pelo Brasil, principalmente nesses pontos discutidos na reunião.

Os Coordenadores, ao final, se colocaram à disposição para mais esclarecimentos e discussões sobre ajustes em pontos sensíveis para a categoria.

Participaram da reunião, representando a FenaPRF, o vice-presidente Dovercino Neto; o diretor jurídico Marcelo Azevedo e o Diretor Financeiro Ricardo Sá, além do presidente do SinPRF/DF, João Henrique.

Gabinete integrado discute políticas de segurança pública

As entidades que formam o Gabinete Integrado de Segurança Pública se reuniram na tarde da terça-feira (1º) para avaliar sugestões de políticas públicas a serem discutidas no Congresso Nacional.

Os operadores de segurança pública discutiram, entre as sugestões, as formas de se trabalhar o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e o Ciclo Completo de Polícia, medidas que agilizariam o atendimento aos cidadãos e traria maior eficiência.

O deputado Subtenente Gonzaga (PDT/MG) participou do encontro e propôs formas de levar as pautas ao Legislativo. Além do vice-presidente e do diretor jurídico da FenaPRF, Dovercino Neto e Marcelo Azevedo, respectivamente, estiveram presentes na reunião representantes da Federação Nacional dos Policiais Federais (FENAPEF), Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (CONAMP), Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (COBRAPOL) e dos oficiais da Polícia Militar.

Gabinete Integrado apresenta propostas de melhorias na segurança pública a Rodrigo Maia

As entidades representativas de operadores da segurança pública que compõem o Gabinete Integrado se reuniram com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), na tarde da última terça-feira (24) para apresentar ao parlamentar propostas de mudanças na segurança pública nacional.

No encontro, ocorrido por intermédio do deputado federal Subtenente Gonzaga (PDT/MG), as entidades do Gabinete Integrado explicaram ao presidente da Câmara a importância de se trabalhar em um novo modelo de segurança pública, principalmente referente ao Ciclo Completo de Polícia, conceito que agilizará o atendimento aos cidadãos e aumentará a taxa de resolução de crimes no Brasil.

De acordo com Deolindo Carniel, presidente da FenaPRF, o encontro foi importante para apresentar ao presidente da Câmara as intenções de discussão da segurança pública nacional. “Esse diálogo é fundamental para que possamos pautar o legislativo com uma discussão de melhoria real para a nossa Segurança Pública. Nós que estamos na ponta temos muito a contribuir”, disse.

Após ouvir os representantes, Rodrigo Maia agradeceu a procura e afirmou que as pautas por melhorias da segurança pública serão prioridade na Câmara dos Deputados. O presidente da casa criou uma comissão especial para debater o tema, a comissão está na fase de designação dos membros por parte dos partidos.

Gabinete Integrado
Conhecido como Gabinete Integrado das Forças de Segurança Pública, entidades de representantes da segurança brasileira se reúnem há mais de seis anos para discutir políticas públicas que melhorem o serviço prestado aos cidadãos brasileiros e também as condições de trabalho de todos os operadores da segurança. Estão representados no Gabinete Integrado: bombeiros e policiais militares de todos os estados, peritos, papiloscopistas agentes e escrivães da Polícia Federal, policiais rodoviários federais, procuradores da República, promotores, magistrados, comandantes de polícias e bombeiros.

Mais lutas e novos avanços em defesa da aposentadoria policial

Após dias de muitas reuniões, o sistema sindical dos PRFs fechou a semana com novos avanços na luta contra a pior aposentadoria policial do mundo: o compromisso do relator da PEC Paralela, Senador Tasso Jereissati (PSDB/CE), de modificar seu relatório, alterando os trechos prejudiciais aos policiais brasileiros.

Com a mudança, todos os operadores civis da segurança pública na esfera da União, ingressos até a promulgação da Emenda Constitucional decorrente da PEC 06/2019, terão garantido direito à integralidade e paridade.

Outra grande luta travada pelos líderes da categoria nesta semana resultou na apresentação de seis emendas ao projeto da PEC Paralela, também corrigindo injustiças à aposentadoria policial. Deste total de emendas, cinco visam mudar a regra de transição, minimizando os prejuízos aos policiais que se encontram próximos à aposentadoria. Outra emenda trata sobre a garantia de integralidade e paridade a todos os policiais.

Próximos Passos
Além de monitorar de perto a supressão do texto, na PEC Paralela, que limitava a integralidade e paridade até os policiais ingressos até 31 de dezembro de 2003, conforme acordado durante esta semana, o sistema sindical dos PRFs lutará, nos próximos dias, para que as emendas apresentadas ao longo desta semana possam ser acatadas no relatório que será votado no plenário do Senado, em votação prevista para a próxima semana.

“Cada avanço que temos obtido nesses meses de luta, é fruto de muito empenho e união de toda a categoria. Assim devemos seguir sempre, até que nenhum PRF esteja sendo prejudicado com retirada de direitos!”, afirma Deolindo Carniel, presidente da FenaPRF.

Confira a lista de emendas e seus autores:

– EMENDA 129 PLEN – PEC 133/2019 Senador Marcos do Val (PODEMOS/ES)
Garantia da integralidade e paridade aos policiais até a promulgação da PEC 06/2019

– EMENDA 143 PLEN – PEC 133/2019 Senador Romário (PODEMOS/RJ)
Regra de transição para policiais

– EMENDA 144 PLEN – PEC 133/2019 Senador Humberto Costa (PT/PE)
Regra de transição para policiais

– EMENDA 148 PLEN – PEC 133/2019 Senador Weverton (PDT/MA)
Regra de transição para policiais

– EMENDA 153 PLEN – PEC 133/2019 Senador Confúcio Moura (MDB/RO)
Regra de transição para policiais

Álbum de fotos:

Ministro reafirma compromisso do Governo em cumprir acordo

As categorias de operadores da segurança pública que compõem a União dos Policiais do Brasil (UPB) se reuniram com o Ministro-Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Jorge Oliveira, na última quinta-feira (12) para discutir a aposentadoria policial na Reforma da Previdência.

A maior preocupação dos operadores de segurança pública foram no tocante ao acordo firmado com Governo Federal, do reconhecimento da integralidade e paridade de todos os policiais egressos até a promulgação da emenda constitucional decorrente da PEC 06/2019.

O ministro afirmou que o acordo será honrado pelo Governo e que já foram feitos estudos pela Advocacia Geral da União (AGU) de forma a confirmar a pauta, estes serão publicados somente após a promulgação da emenda constitucional.

Outra preocupação das categorias foi o texto incluído na PEC Paralela, que tramita no Senado Federal. O principal alerta dos representantes policiais é quanto a paridade e integralidade somente para os egressos até 2003, incluído recentemente no texto da PEC.

De acordo com o Ministro-Chefe da Secretaria-Geral do Palácio do Planalto, ele fará gestão com os técnicos da equipe econômica para que os policiais não sejam prejudicados.

Além de Marcelo Azevedo, diretor jurídico da FenaPRF, estiveram presentes representantes da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), do Sindicato dos Policiais Civis do DF (Sinpol-DF), da Associação Nacional das Mulheres Policiais do Brasil (AMPOL), Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), da Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (COBRAPOL), da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (FENADEPOL) e da Associação Brasileira de Criminalística (ABC).

FenaPRF apresenta necessidades da categoria a Ministro da Presidência

Em encontro realizado na tarde da última quinta-feira (12), diretores da FenaPRF levaram ao Ministro-Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Jorge Oliveira, os principais temas que os policiais rodoviários federais buscam ter avaliados.

Dentre os temas mais importantes listados por Deolindo Carniel, presidente da FenaPRF, estão a implementação de uma Lei Orgânica da PRF, aumento do efetivo e um posicionamento claro do Governo Federal do papel estratégico da polícia.

Segundo Carniel, a PRF tem uma estrutura que facilita o êxito em operações e trabalhos realizados nas rodovias. “É uma polícia de carreira única e com decisões que saem de Brasília e atingem todos os policiais rapidamente. É uma força que está no Brasil inteiro, uniformizada e faz policiamento ostensivo eficiente, somos uma polícia que forma seus próprios policiais, precisamos saber como o governo vai pensar esse nosso papel a nível Brasil”, afirmou.

O diretor jurídico da FenaPRF, Marcelo Azevedo, destacou que é fundamental que a lei orgânica seja colocada como prioridade. “A lei orgânica é importante não só para a carreira, definições de trabalho e outros fatores, mas para o órgão também. Não teremos dificuldade em chegar a texto comum de lei orgânica”, explicou.

 De acordo com o Ministro Jorge, o Governo Federal está atento à PRF e quer investir para polícia ter resultados ainda melhores. “A PRF cresceu muito nos últimos anos. O presidente sempre defendeu a parte da segurança em seus discursos. O estado tem limitações, claro, mas para o país é importante valorizar os policiais, resgatar o valor das autoridades. A PRF está com ganhos constantes em suas atividades”, disse.

Preocupação com a Saúde
Um tema definido como principal preocupação pelo presidente da FenaPRF foi a falta de políticas públicas para enfrentamento aos problemas de saúde dos policiais brasileiros.

Carniel se mostrou alerta com a falta de atividades para prevenção de doenças psicossociais nos quadros policiais. “Temos muita preocupação com políticas de saúde mental para os operadores da segurança pública, é um tema que eu já abordei em reunião com a ministra Damares (dos Direitos Humanos) e até o momento não tivemos nenhuma movimentação por programas neste sentido”, explicou

Um trabalho do Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção (Gepesp), divulgado em agosto deste ano, aponta que os casos de suicídios de policiais no Brasil aumentaram 140% no ano de 2018 em relação a 2017, sem contar os inúmeros afastamentos que houveram no período pelos mesmos motivos.

Além do Ministro-Chefe da Secretaria Geral da Presidência, Jorge Oliveira; do Presidente da FenaPRF, Deolindo Carniel e do diretor jurídico da FenaPRF, Marcelo Azevedo; também estiveram presentes o coordenador de comunicação da entidade, Raphael Casotti e o coordenador de relações sindicais, Paulo Sérgio.

Luta do sistema sindical dos PRFs segue rendendo frutos

Em uma semana de intensas atividades no Senado Federal, com as discussões da Reforma da Previdência na CCJ, o sistema sindical dos PRFs foi novamente protagonista na defesa dos direitos dos policiais rodoviários federais.

Representantes de 21 sindicatos estaduais e uma forte comitiva de mulheres PRFs dos diversos estados se somaram aos diretores da FenaPRF no trabalho parlamentar de convencimento e articulação junto aos Senadores, para buscar corrigir as diversas injustiças da PEC 06/19, recentemente aprovada na Câmara dos Deputados, e tramitando de forma acelerada no Senado.

O resultado amplamente antecipado pela mídia, de desmembramento da PEC em uma PEC paralela foi confirmado na CCJ, com a inclusão de Estados e Municípios na reforma previdenciária.

O texto original da PEC 06 permaneceu totalmente blindado, para evitar quaisquer atrasos no calendário econômico do Governo, e todas as tentativas de alterações nas regras para policiais na PEC 06 restaram rejeitadas pelos parlamentares e pelos partidos.

No entanto, a blindagem também da PEC paralela cedeu à pressão positiva dos representantes PRFs e demais representantes de forças de segurança que atuaram no Senado.

Com isto, duas emendas importantes foram acatadas na proposta que seguirá tramitando mesmo após a promulgação da PEC 06.

A emenda 382, do senador Major Olimpio (PSL/SP), vice-líder do Governo, teve sua inclusão parcial no texto do relatório apresentado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB/CE), e permitirá que a constituição federal eatabeleça que uma Lei Complementar específica regule todos os requisitos e critérios da aposentadoria policial.

Já a emenda 409, do senador Marcos do Val (PODE/ES) irá garantir a Integralidade e a Paridade no texto constitucional para todos os policiais, agentes prisionais e socioeducativos federais que estejam na carreira até a promulgação da PEC.

A despeito de muitas injustiças ainda permanecerem no texto da PEC 06, as alterações obtidas nesta semana por meio da PEC paralela, com o esforço coletivo dos representantes de classe e parlamentares apoiadores da segurança pública, demonstram que a luta em defesa da categoria pode e deve ser travada até o final.

Erro de última hora e atuação contundente
Um erro de última hora no cadastramento do texto do relator no sistema da CCJ, após o acordo entre parlamentares e Governo causou grande apreensão entre os representantes sindicais que estavam no Senado, no início da noite desta quarta-feira(4).

O texto da emenda 409, do senador Marcos do Val acabou sendo registrado no relatório com um limite temporal, fazendo com que a Integralidade e a Paridade fossem limitadas para os servidores que entraram na carreira policial até o ano de 2003.

Numa rápida articulação conjunta, entre as assessorias parlamentares dos senadores Marcos do Val e Major Olímpio, dos líderes sindicais presentes no Senado e com a participação destacada do PRF e deputado federal Nicoletti, o relator foi convencido do erro e se comprometeu a alterar o texto, resguardando o direito a todos os policiais até a promulgação da PEC.

O senador Major Olímpio fez questão de destacar, em sua fala, a atuação vigilante e contundente do PRF e deputado Nicoletti e sua assessoria para evitar o cometimento de uma injustiça aos policiais.

Próximos passos – a luta continua
A PEC 06 e a PEC paralela seguem para votação em dois turnos no Senado, sendo necessários ao menos 49 votos para aprovação em cada turno.

Caso a PEC 06 seja aprovada sem alterações, o texto seguirá para promulgação em sessão do Congresso Nacional.

Já a PEC paralela, após sua eventual aprovação nos dois turnos, seguirá para tramitação na Câmara dos Deputados.

A luta por uma regra de transição justa e correção nas distorções das pensões por invalidez e morte natural seguem nesta próxima etapa.

Busca por apoio à Aposentadoria Policial não para

Intensidade é a palavra para definir o trabalho em Brasília realizado pelo sistema sindical dos PRFs nesta semana. Quase todos os sindicatos regionais de PRFs se deslocaram à Capital Federal para trabalhar contra os prejuízos trazidos pela Reforma da Previdência.

Dos 26 sindicatos existentes no sistema, 21 estão presentes realizando trabalhos políticos dentro do Congresso Nacional em busca de melhorias na PEC 06/2019.

O objetivo dos sindicalistas é realizar abordagens informativas aos Senadores e seus assessores acerca da situação dos policiais brasileiros, com maior foco nos policiais rodoviários federais.

Só na primeira tarde de visitas, mais de 20 senadores haviam sido abordados com esclarecimentos e comparações entre o atual sistema de aposentadoria e o que proposto pelo texto aprovado na Câmara dos Deputados.

Comitiva feminina
Buscando aumentar a participação feminina nas atividades sindicais dos PRFs, cada Sindicato ficou responsável por trazer policiais mulheres para ajudar no trabalho parlamentar e participar das discussões internas realizadas pelos sindicatos e FenaPRF, tudo para que as mulheres não saiam prejudicadas no processo de decisão interno.

Confira as fotos das reuniões

https://photos.app.goo.gl/DZrAivfkTSxgGXDB6