Category: Notícias Sindicais

FenaPRF participa de evento no Palácio do Planalto

A convite de Paulo Pereira da Silva (presidente da Força Sindical), Rodrigo Alves Carvelo (presidente da Força Sindical/GO) e Rhernan de Souza Pires (Secretário de Relações Sindicais/GO), a FenaPRF participou da Cerimônia de assinatura do compromisso Nacional para Aperfeiçoamento das Condições de Trabalho na Indústria da Construção realizada no Palácio do Planalto, que contou com a presença da presidenta Dilma Rousseff, do vice-presidente Michel Temer, do presidente da câmara dos deputados Marcos Maia, além de diversos ministros e autoridades do governo.

A cerimônia, considerada histórica por trabalhadores, empresários e governo, sela documentalmente a importância do diálogo constante entre empregados e empregadores, chegando-se a um entendimento de equilíbrio entre força laboral, produtividade e condições básicas de trabalho.

Para o presidente da FenaPRF, Pedro Cavalcanti, “a assinatura deste compromisso para aperfeiçoamento das condições de trabalho para os trabalhadores da construção, abre precedentes para que os servidores públicos também pleiteiem de seu patrão, o governo federal, condições básicas parao  desempenho de seu trabalho com segurança e eficácia”.

Ao final da cerimônia, os representantes da FenaPRF conversaram com Miriam Belchior, ministra do MPOG, e cobraram a nomeação do novo Secretário de Relações de Trabalho daquele Ministério para que, novamente, sejam reiniciadas as mesas de negociações. A ministra informou que até o final da próxima semana este secretário será nomeado e, tão logo, serão reiniciadas as conversações com as categorias dos servidores federais. Ainda na oportunidade, o presidente da FenaPRF falou da importância da manutenção de Sra. Marcela Tapajós e dos demais integrantes da equipe do saudoso Durvanier Paiva no comando da SRT.

Estiveram ainda na cerimônia representado a FenaPRF o diretor parlamentar, Tácio Silveira e o presidente da Comissão da Lei orgânica, Jesus Caamaño.

 

Adicional de fronteira está em fase final

O Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, recebeu em seu gabinete na noite da última quinta-feira (1º) representantes da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), do Sindicato Nacional dos Analistas Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindireceita) e da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef). A reunião, que durou cerca de duas horas, serviu para discutir questões relativas ao adicional de fronteira. A implantação do benefício tem por objetivo estimular a ida e a permanência dos servidores que atuam nesses locais.

De acordo com o Ministério da Justiça (MJ), a proposta que criará o adicional remuneratório para os servidores que atuam em áreas fronteiriças está em fase final de construção e deverá vir sob a forma de função, denominada “função de fronteira”. A proposta, que será encaminhada por meio de Medida Provisória, já foi analisada pelos Ministérios da Fazenda e da Justiça, estando atualmente no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), para posterior apreciação da Casa Civil da Presidência da República.

Apenas fará jus ao recebimento da chamada “função de fronteira” os servidores lotados em unidades dentro de uma faixa de até 150 km de distância da linha de fronteira. O ministro da justiça tranquilizou os representantes sindicais informando que a própria presidente Dilma Rousseff está preocupada em solucionar os problemas das fronteiras e que um dos pontos primordiais seria o incentivo à fixação dos servidores nestes locais. Ele informou que o ano de 2012, será um ano de estruturação do Plano Nacional de Fronteiras e que já existe dotação orçamentária com previsão de recursos que assegurem tal estruturação.

Para o Presidente da FenaPRF, Pedro Cavalcanti, é de extrema importância o empenho demonstrado pelo ministro. “Enfim ouvimos uma resposta mais concreta por parte do Governo. Finalmente houve uma sensibilização com os servidores que trabalham arduamente em locais muitas das vezes inóspitos”, destacou.
As entidades sindicais destacaram no entanto, que existe um cronograma de mobilização conjunto das categorias em prol das fronteiras brasileiras e da segurança dos servidores que atuam nesses locais e que, se não sair nada de concreto até o dia 29 de março, haverá uma mobilização das três entidades.

FenaPRF, Sindireceita e Fenapef devem se reunir nas próximas semanas com representantes do Ministério do Planejamento, Ministério da Fazenda e Vice-Presidência da República, responsável pela Política Nacional de Fronteiras, para tratar do tema.

Representando a FenaPRF estavam presentes o presidente, Pedro Cavalcanti, os diretores jurídicos, Jorge Falcão e Jailton Tristão, o diretor parlamentar, Tácio Silveira, e o diretor financeiro, Deolindo Carniel. Pelo Sindireceita participou o diretor Thales Freitas. Pela Fenapef estavam presentes o diretor de seguridade social Naziazeno Forentino (Filé) e o diretor de relações de trabalho, Francisco Sabino.


[hr]

A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

 

 

 

 

 

 

 

 

FenaPRF retoma discussões da lei orgânica

Continuando a luta em busca da criação da Lei Orgânica, a diretoria da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), esteve reunida no último dia 28 com representantes do Departamento de Policia Rodoviária Federal (DPRF), incluindo a diretora-geral, Maria Alice e a corregedora-geral, Miriane Menegaz.

A reunião serviu para finalizar os trabalhos das comissões da FenaPRF e do DPRF que tratam do assunto desde o ano passado. Com o intuito de dar leveza e agilidade ao processo, algumas decisões foram tomadas, como a alteração da jornada de trabalho será tratado com uma lei específica da carreira, assim como outros direitos que envolvem debates mais complicados, que atrasariam os trâmites legais.

Segundo o presidente da comissão de lei orgânica da FenaPRF, Jesus Castro Caamaño, o andamento até o momento dessa primeira parte dos trabalhos foi muito boa. “A gente tem consciência, que a lei não abrange todos os direitos da categoria, mas conseguimos chegar a um consenso entre Departamento e Federação”, destaca.

O diretor jurídico, Jorge Falcão, também destaca as decisões acordadas, porém continua esperando respostas sólidas e práticas para resolver problemas gerados pela falta de uma Lei da Carreira. “Após protegermos a Instituição, com a finalização do texto da Lei Orgânica, passaremos ao nosso maior objetivo, que é a correção das graves distorções presentes no dia-a-dia dos servidores, pela ausência da Lei. O compromisso do DPRF de dar prosseguimento imediato a esta nova etapa, nos deixe seguro quanto a proximidade desta nova conquista.”

O encontro seguinte ficou pré-agendado para as próximas semanas, e desde já estamos com o canal de Contato do site aberto a novos posicionamentos e sugestões que possam melhorar a qualidade de vida do PRF. “Estamos trabalhando forte e em um ritmo acelerado, mas precisamos continuar mostrando ao governo que somos unidos, pois assim agregaremos maiores valores“, conclui Cavalcanti, presidente da Federação.

Regulamentação da atividade física

Aproveitando o momento houve uma cobrança por parte da FenaPRF para que o DPRF uniformize o regulamento da atividade física, servido dos exemplos positivos que já temos. O diretor financeiro da FenaPRF, Carniel, aproveitou para destacar a importância da atividade física. “Todos sabemos que, quando investimos em atividade física, estamos melhorando a condição de saúde dos PRFs, e assim, diminui-se até a quantidade de atestados“, pontuou.

Caso Sergipe X Bahia

Após denúncia feita pela FenaPRF no último mês, a diretora entrou em contato com os responsáveis pelas alterações da área de circunscrição, e como o problema não foi solucionado por falta de comunicação, ela estará enviando nos próximos dias o coordenador-geral de operações, Giovanni, para estar conversando com os responsáveis pelas duas regionais.

[hr]

A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

FenaPRF tem novo encontro com Sindireceita e Fenapef

Mantendo o espírito colaborativo que tem acontecido entre a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), o Sindicato Nacional dos Analistas Tributários da Receita Federal (Sindireceita), e a Federação Nacional dos Policias Federais (Fenapef), ocorreu na manhã desta quarta-feira (29) mais um encontro com foco na mobilização em prol das respectivas categorias e de toda a sociedade.

Na pauta principal estavam as próximas ações da mobilização na fronteira, evento nacional com o objetivo de alertar a população sobre o que realmente acontece nas fronteiras, além de informar sobre as condições de trabalho. Marcada para o final de março, as entidades contam com o apoio massivo de todos os funcionários.

O material de divulgação já foi montado e estará disponível em breve nos locais de distribuição. Segundo a presidente do Sindireceita, Sílvia Felismino, essa será uma forma de mudar a visão que as pessoas tem de funcionários públicos. “Várias vezes passam uma imagem errada sobre a gente [funcionários públicos], nós temos uma forma de tratamento completamente diferente, desde o FGTS que não recebemos, até a nossa demissão, que não tem rescisão.”, explicou.

Para o presidente da FenaPRF, Pedro Cavalcanti, há benefícios bem próximos de serem alcançados. “Nossas entidades continuam reunidas não somente na busca do adicional de fronteira, mas também de várias outras formas de melhorar as condições de vida e de trabalho dos colegas que trabalham nas regiões de fronteira”, destacou Cavalcanti.

Reunião com o ministro

Durante o encontro, Cavalcanti recebeu a ligação do assessor especial do MJ, Marcelo Veiga, confirmando um encontro das três entidades com o ministro da justiça, José Eduardo Cardozo. Essa reunião ficou marcada para o dia 29 de março.

[hr]

A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

FenaPRF e Fenapef se reúnem com representante do Ministro/MJ

A Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) e a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) se reuniram com o assessor especial do Ministério da Justiça, Marcelo Veiga, na tarde de quinta-feira (16). Sindicalistas e governo trataram de temas como o adicional de fronteira e a perseguição a sindicalistas na Polícia Federal. A reunião também serviu para preparar a pauta do encontro que representantes da FenaPRF, Fenapef e Sindireceita terão com o ministro da justiça, José Eduardo Cardozo, no próximo dia 29.

O diretor de Seguridade Social da Fenapef, Naziazeno Florentino dos Santos (Filé), reforçou a necessidade do governo intervir para fazer cessar a perseguição a vários sindicalistas nos estados. “Não faz o menor sentido as lideranças sindicalistas estarem sendo perseguidos, ainda mais em um governo que tem como origem movimento sindical”, questionou.

Mobilização Nacional – Com o objetivo de pressionar o governo, e mostrar a real condição de trabalho nas fronteiras, a força conjunta, informou que nos próximos dias 28 e 29 de março, ocorrerão vários atos nas fronteiras. As categorias irão protestar contra a falta de efetivo, falta de condições de trabalho e pela implantação imediata do adicional de fronteira.

Representando a FenaPRF estavam os diretores jurídico e parlamentar, Jailton Tristão e Renato Borges Dias, respectivamente. Segundo Renato, “precisamos de resultados imediatos por parte do governo, pois a base, os nossos colegas policiais, não suportam mais tantas reuniões e tratativas sem efetivamente resultar no objetivo esperado, tais como: auxílio fronteira; aumento salarial; reajuste dos auxílios alimentação, creche, pré-escolar; diárias; retorno do adicional noturno; nível superior, enfim, precisamos já de uma resposta positiva e concreta do governo. Caso contrário, em março haverá o início das mobilizações em conjunto com a Fenapef e Sindireceita. Lembramos que outras categorias já nos procuraram para aderir ao movimento. O efetivo está ansioso para demonstrar o seu descontentamento com o governo e pronto para a mobilização. Mas, Dr. Marcelo, não é isto que desejamos, o ideal seria conseguirmos rápido uma resposta consistente do governo que promovesse algum benefício ainda neste início de ano, pois aumento salarial efetivamente sabemos que somente no próximo ano”, disse o diretor parlamentar.

O diretor jurídico da FenaPRF, Jailton, disse ainda que “a agenda com o Ministro da Justiça no próximo dia 29/02 é muito importante pois o Ministro terá a oportunidade de ouvir e ser ouvido pela três entidades, FenaPRF, Fenapef e Sindireceita, momento em que terá consciência real da força do movimento.”

Fonte: Agências Fenapef e FenaPRF

 

FenaPRF se encontra com ministro da justiça José Eduardo Cardozo

Na tarde da última sexta-feira (10), após várias tentativas anteriores, o Ministério da Justiça (MJ) foi palco do primeiro encontro entre a atual gestão da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) e o ministro da justiça José Eduardo Cardozo. O encontro com três horas de duração serviu para a Federação apresentar um resumo de suas ações e uma apresentação das principais reinvindicações da categoria.

Estiveram presente o presidente da FenaPRF, Pedro Cavalcanti, os diretores parlamentares, Tácio Silveira e Renato Borges Dias. Pela Comissão Nacional de Mobilização, compareceu o Sr. Frederico França, responsável pelas apresentação das propostas. E representando o Departamento de Polícia Rodoviária Federal o Coordenador-Geral de Recursos Humanos, PRF Furtado e o Coordenador Geral de Inteligência, PRF Artigas.

Na pauta estavam a alteração da categoria para nível superior, a progressão funcional e o adicional de fronteira. A FenaPRF aproveitou para usar como gancho uma frase proferida pelo ministro durante o 1º Congresso Nacional dos Policiais Rodoviários Federais em junho passado. “A policia rodoviária federal não será mais o primo pobre do Ministério da Justiça.”

Nível superior

O primeiro assunto debatido foi o que se arrasta a mais tempo, e é uma das principais bandeiras defendidas pela FenaPRF, a elevação do cargo da categoria de intermediário para superior, tendo em vista que para ingresso na carreira já é exigido diploma de nível superior, reconhecendo a complexidade de suas atribuições.

O pedido, que estava parado, começou a ter respostas positivas somente nos últimos anos, quando o Ministério da Justiça sinalizou a favor da causa. No último dia 1º de dezembro, o ministro Cardozo encaminhou o aviso ministerial 2724/MJ (o mesmo pode ser visualizado aqui), que solicita a elevação, tendo em vista que o mesmo já é praticado por outras forças. Gerando uma isonomia no ministério.

O ministro destacou que não tem o menor sentido, a carreira ser tratada como intermediária, tendo em vista que existe uma similaridade em relação a diversos cargos que compõem carreiras típicas e exclusivas de estado.

Adicional de Fronteira

Quanto ao adicional de fronteira, o ministro informou que a discussão no âmbito de governo está bem adiantada, e enfatizou que todos os pontos foram acertados, incluindo os entraves jurídicos, dependendo do ajuste de apenas um único detalhe.

Demonstrando a união entre os órgãos que trabalham na fronteira, o presidente Cavalcanti solicitou um segundo encontro com o ministro, onde também estarão presentes o Sindireceita e a Fenapef. O mesmo foi acatado pelo MJ, ficando apenas a ser confirmada a data.

O diretor parlamentar destacou a importância do adicional de fronteira, no entanto cobrou do ministro a adoção de medidas futuras, visando atender a melhoria das condições de trabalho não só dos policias de fronteira mas sim de todo o Brasil.

Apoio do MJ

O ministro se propôs a acompanhar pessoalmente as solicitações da categoria, incluindo no que for necessário junto as demais instâncias como o MPOG e a Casa Civil. Cardozo demonstrou estar atento e inteirado com as demandas encaminhadas pela FenaPRF. “A união da categoria é de fundamental importância para se conseguir melhorias”, destacou.

Função Social

O presidente da Federação Pedro Cavalcanti fez questão de atentar ao ministério quanto a reestruturação de alocação dos postos. Solicitando que o MJ olhe com uma maior atenção o fato dos postos possuírem uma função social. “Muitas vezes os motoristas enfrentam algum problema durante os seus trajetos, e acabam parando nos postos para pedir algum auxílio, ou mesmo para descansar, evitando assim algum acidente”. O diretor parlamentar aproveitou para falar sobre os postos em pequenos povoados. “As vezes a única representação do Estado é o posto da PRF, que acaba servindo como ponto de apoio para a comunidade”, completou Tássio.

Conclusões

O representante da comissão nacional de mobilização se mostrou satisfeito com o encontro. “Estamos avançando a cada momento nas negociações e hoje tivemos excelentes sinalizações positivas por parte do Ministro da Justiça. Resta-nos agora concretizarmos os principais pleitos e lutarmos incessantemente para sua consecução, que são acima de tudo legítimas”, destaca Frederico França.

Já o presidente da FenaPRF Pedro Cavalcanti, preferiu ser mais cauteloso. “A reunião foi muito boa, sai otimista, porém devemos aguardar a concretização das negociações, que só acontecerão no final de março”, alerta.

 

[hr]

A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

Sindireceita, Fenapef e FenaPRF criam movimento conjunto em defesa das Fronteiras

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), o Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindireceita) e a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) fecharam um calendário de mobilização conjunta em prol das fronteiras brasileiras e pela segurança dos servidores que atuam nesses locais. A pauta foi definida nesta quarta-feira, 8, em Brasília. Conforme os líderes sindicais, o dia 29 de março foi instituído como o “Dia Nacional de Mobilização em Defesa dos Órgãos de Fronteira”.

O calendário de ações ainda prevê atividades institucionais, políticas, governamentais, além de mobilizações das categorias envolvidas. As entidades também definiram as providências para implementação do adicional de fronteira para estimular a ida e a permanência de servidores nessas áreas.

As entidades envolvidas discutiram exaustivamente ações e estratégias na defesa dos direitos dos servidores e se comprometeram colocar em prática todas as providências previstas no calendário. Entre as ações estão: o trabalho parlamentar, previsto para iniciar ainda neste mês, o trabalho de convencimento junto às autoridades do governo, por meio do agendamento de reuniões, e a panfletagem de servidores nas áreas de fronteira.

Na opinião da presidenta do Sindireceita, Sílvia Helena Felismino, as fronteiras brasileiras estão fragilizadas e o movimento conjunto busca sensibilizar o Governo Federal para a necessidade de investimentos em pessoal e infraestrutura nessas unidades. “Não podemos mais ficar calados. A onda de violência que assola a nossa sociedade é consequência do total abandono das nossas fronteiras por onde entram todo tipo de drogas, contrabando, pirataria, armas e munições. Queremos chamar a atenção da sociedade para esse problema e encontrar soluções. Do jeito que está o país não tem condições de sediar eventos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016”, destacou.

Para o vice-presidente da Fenapef, Paulo Poloni, o movimento vai muito além de uma simples reivindicação das categorias. “Entendemos que a violência urbana está diretamente ligada a fragilidade de nossas fronteiras”, disse. O presidente da FenaPRF, Pedro Cavalcanti, destacou que este movimento é o ponto de partida das três categorias para a luta em defesa das fronteiras e também para outras lutas futuras.

Esta é a terceira reunião conjunta das entidades em se discutiu assuntos relacionados à fronteira brasileira. Outros encontros foram realizados na sede do Sindireceita em 17 de novembro de 2011 e em 24 de janeiro deste ano.

Também participaram desta reunião os seguintes representantes sindicais:

Fenapef: Roger Barros , diretor financeiro; e Naziazeno Florentino, diretor de seguridade social;

FenaPRF: Jailton, diretor jurídico; Tácio, diretor parlamentar e Khadur, coordenador de relações de trabalho.

[hr]

A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

SINPRF-PE denuncia falta de efetivo em PE

Nas estradas federais que cortam Pernambuco, a fiscalização está comprometida pela falta de policiais rodoviários. E muitos postos da Polícia Rodoviária Federal (PRF) estão sendo desativados no estado. O problema atinge também o resto do Brasil por conta da falta de funcionários. Em Pernambuco, existem sete postos de fiscalização. O estado possui 2.300 quilômetros de rodovias distribuídos em onze BR’s.

Em Quipapá e Ribeirão, cidades da Zona da Mata Sul, e Carpina, na Mata Norte, os postos estão desativados. Em Carpina, o prédio será reformado para receber uma unidade da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária (Adagro). Em Moreno, na Região Metropolitana do Recife, o posto conta apenas com um agente rodoviário.

Atualmente, em média, 60 policiais trabalham no estado. Porém, de acordo com o Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais, seria necessário dobrar esse número. “O último concurso público que foi iniciado ainda não se encerrou. Aqui em Pernambuco, esse concurso foi em 2009 e teve a previsão de contratar seis agentes. Hoje a Polícia Rodoviária Federal (PRF) pode contratar mais e a lei autoriza até 13 mil policiais”, afirmou o diretor jurídico do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais, Tiago Arruda.

O posto do município de Igarassu, no Grande Recife, atende a 63 quilômetros, que vai da cidade de Goiana, na Zona da Mata Norte do estado, até o Terminal da Integração (TI) do bairro da Macaxeira, na Zona Norte da capital. Nessa unidade, a situação também é difícil. Quando os dois policiais saem para as ocorrências, a unidade fica esvaziada. “Já aconteceu de haver dois acidentes e a gente deixar o posto fechado, porque os acidentes têm prioridade”, disse o agente da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Josemir Célio.

Veja o vídeo

A assessoria da PRF reconheceu que conta com um número de policiais menor do que o esperado. Atualmente, são 420 policiais atuando no estado, quando seriam necessários de 800 a mil homens. Mas que esse não é o principal motivo do fechamento dos postos. De acordo com a assessoria, a localização de muitos deles é inadequada. Além disso, a fiscalização móvel é mais eficaz do que a feita nos postos. A assessoria informou ainda que mesmo com a realização de concursos, os postos fechados não serão reabertos.

Fonte: SINPRF/PE

Diretoria da FenaPRF apresenta reivindicações ao DPRF

No último dia 2, a Federação Nacional dos Policias Rodoviários Federais (FenaPRF) visitou a sede do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF), para tratar da categoria. A diretoria da FenaPRF foi recebida pela Diretora-Geral da PRF, Maria Alice. Entre os temas abordados estão a agenda de 2012 e as reinvindicações dos estados.

Agenda 2012

A FenaPRF aproveitou o encontro para agendar uma reunião para tratar de assuntos técnicos junto ao DPRF, onde estarão presentes todos os diretores da Federação e os coordenadores do Departamento. Na pauta, está programada uma explanação sobre os planos e projetos para 2012, incluindo os de investimentos na carreira categoria e o projeto Rodovida, além de apresentar um balanço do exercício de 2011.

Com o objetivo de levantar as demandas e avaliar os anseios e condições de trabalho da categoria, a Federação estará entrando em contato com todas as unidades sindicais do país para que estas apresentem suas manifestações.

Para o presidente do SinPRF/SE, Dovercino Neto, a reunião será uma oportunidade ímpar na relação entre sindicatos e Departamento. “Em um único momento, poderemos apresentar todas as demandas regionais de maneira conjunta e não isoladamente, como ocorre agora”, explicou Neto.

Aumento da área de abrangência

Por intermédio da FenaPRF, o presidente Pedro Cavalcanti apresentou uma reclamação oriunda dos policias do estado de Sergipe. Segundo relato apresentado pelo sindicato local, o superintendente do estado pretende aumentar a área de circunscrição da regional, assumindo a fiscalização de rodovias do norte da Bahia.

Segundo o SinPRF/SE, essa medida traria um grande transtorno aos policias do estado, tendo em vista que dificultaria seus deslocamentos de retorno às suas residências devido a distância. Isto também, irá gerar um aumento de estresse e desgaste pelo excesso de serviço e obrigações extras.

A diretora-geral esclareceu que essa alteração em Sergipe não partiu do DPRF e que iria entrar em contato com o superintendente para se informar sobre a situação apresentada. Maria Alice aproveitou para ressaltar que será instituída uma comissão com o objetivo realizar um estudo sobre o reordenamento dos postos, delegacias e superintendências.

Os representantes da FenaPRF aproveitaram para deixar claro que intermediará as solicitações encaminhadas pelo sindicatos e que atuará em conjunto com eles acompanhando de perto os trabalhos dessa comissão, inclusive apresentando propostas.

Negociações com o governo

Na área de negociações, a FenaPRF levou ao conhecimento do DPRF que a categoria, em todos os estados, está descontente com a forma que as negociações, junto a mesa permanente do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) estão sendo tratadas pelo governo em 2012. A insatisfação aumentou após o falecimento do Secretário de Recursos Humanos, Duvanier Paiva, fato esse que levou o MPOG a anunciar a suspensão de todas as reuniões marcadas com a Federação para o mês de fevereiro.

O descontentamento é igual com o Ministério da Justiça (MJ), tendo em vista da dificuldade em se conseguir agendar uma audiência com o ministro, cujo o apoio é imprescindível.

Segundo o diretor parlamentar da FenaPRF, Renato Borges Dias, o descaso do governo poderá levar a categoria a tomar decisões mais enfáticas. “No próximo dia 15 de fevereiro está programada uma mobilização nacional em Brasília, visando sensibilizar o governo, por meio de uma paralisação geral”, alerta.

Na próxima semana se reunirão pela terceira vez: FenaPRF, FENAPEF e Sindireceita. O objetivo será discutirem as formas de mobilização conjunta das três categorias para esse dia.

Desde o segundo semestre de 2011, a categoria já se encontra em estado de alerta e que o descaso por parte do governo poderá levar a movimentos paredistas.

Concurso 2009

A Federação, por meio do Ofício nº 006/2012, encaminhado ao DPRF, defendeu a convocação de todos os aprovados e de acordo com a capacidade de formação da Polícia Rodoviária Federal.

A diretora-geral esclareceu que nesse primeiro momento, serão convocados 750 aprovados mais os sub-judices, tendo em vista que a Academia Nacional de Polícia tem estrutura para formar 512 policiais por semestre.

Foi acertado que, cumprida essa primeira etapa de formação, a FenaPRF apoiará o Departamento junto ao MJ, Casa Civil e MPOG, na luta pela autorização para a convocação dos aprovados remanescentes, exaurindo assim o certame de 2009.

Outras frentes

O encontro também serviu para a discussão de outros temas específicos com a corregedora-geral, Miriane Menegaz e com coordenador-geral de administração, Marcelo Aparecido Moreno.

[hr]

A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’

Nota de manifesto contra suspensão das negociações salariais

A Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) se mostra preocupada com a decisão do Governo em suspender as negociações com todas as categorias. Por telefone o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), informou que as reuniões agendadas para o mês de fevereiro foram canceladas.

De acordo com a Secretaria de Relações de Trabalho, a medida foi tomada devido à indecisão de quem irá assumir a vaga de secretário de relações de trabalho, que seria ocupada por Duvanier Paiva e faleceu em 19 de janeiro.

Na última reunião, 18 de janeiro, a FenaPRF aproveitou para expressar a preocupação com os prazos curtos, tendo em vista que devido a feriados como o carnaval e o calendário reduzido devido ao ano eleitoral, que proibi reajustes salariais, o prazo final para conclusão das discussões será o final do mês de março.

“A FenaPRF aproveita para salientar que está atenta aos prazos legais e uma possível manobra do Governo para retardar as negociações”, informa o presidente Pedro Cavalcanti.

[hr]

A reprodução desta notícia é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência FenaPRF’