Category: Notícias Sindicais

Diretor-Geral da PRF e deputados federais participam da primeira AGE de 2019 da FenaPRF

A diretoria da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) se reuniu nesta semana com o novo conselho de representantes dos sindicatos filiados, na primeira Assembleia Geral Extraordinária (AGE) de 2019. Dividida em três dias, as atividades contaram com a presença de parlamentares recém-eleitos, além do novo Diretor Geral da PRF, Adriado Furtado.

Com um Conselho com várias caras novas, devido às eleições dos sindicatos que ocorreu no final do ano passado, houve a apresentação formal tanto da diretoria para com o Conselho, como dos novos presidentes e delegados à diretoria da FenaPRF.

O tema principal nos dois dias de reuniões em um hotel de Brasília foi a Reforma da Previdência e a aposentadoria policial. A quarta-feira foi reservada para atividades no Congresso Nacional, onde o Conselho aproveitou para distribuir a Carta aos Parlamentares, documento produzido especialmente sobre as demandas da PRF no que tange a uma iminente Reforma da Previdência.

O PRF eleito Nicoletti (PSL/RR) encabeçou a presença dos parlamentares na AGE desta semana. Na terça-feira, na abertura das atividades, esteve presente com o policial federal Ubiratan Sanderson (PSL/RS). Já no último dia da assembleia, participaram os parlamentares Coronel Chrisóstomo (PSL/RO), Nereu Crispim (PSL/RS), Felício Laterça (PSL/RS), Coronel Armando (PSL/RS) e Cabo Junio Amaral (PSL/MG).

Na quinta-feira, o Diretor-Geral da PRF falou aos representantes sindicais sobre a composição de sua gestão e os temas de relevância que pretende tratar no comando da PRF, e respondeu a questionamentos dos conselheiros. Furtado iniciou sua fala agradecendo a maciça presença dos líderes sindicais na cerimônia de posse na última terça-feira. O novo Diretor-Geral reafirmou a importância do sistema sindical dos PRFs e o intuito de sua administração em reforçar a parceria entre gestão e representação de classe. Além disso, afirmou que trabalhará prioritariamente na organização da estrutura do órgão e na luta pela complementação do efetivo legal da instituição.

O presidente da FenaPRF, Deolindo Carniel, agradeceu a presença do Diretor-Geral e dos parlamentares e destacou o desafio da luta do sistema sindical pela defesa dos direitos previdenciários dos policiais.

UPB se reúne com Ministério da Justiça para tratar sobre a Reforma da Previdência

Em um cenário de incertezas sobre qual será o texto da Reforma da Previdência a ser apresentado pelo Governo, a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) e diversas outras entidades que integram a União dos Policiais do Brasil (UPB), se reuniram com o secretário executivo do Ministério da Justiça, Luiz Pontel, para apresentar as demandas acerca do tema. Os representantes cobraram um posicionamento público do ministro Sérgio Moro no que tange à defesa dos policiais e pediram a necessidade de serem ouvidos antes do fechamento do texto.

Pontel iniciou a reunião confirmando que a ideia inicial da pasta é desestrangular o sistema de segurança pública, como feito na proposta apresentada por Moro nos últimos dias. Sobre a Reforma da Previdência, principal alvo da reunião, o secretário executivo afirmou que Moro deve fazer um apoio aos policiais, mas em momento oportuno.

Deolindo Carniel, presidente da FenaPRF, pontou que a demora para um posicionamento pode ser prejudicial às categorias. “Seria confortante a todos nós um posicionamento público por parte dele (Moro), como têm feito os gestores dos comandos militares, que vêm defendendo um tratamento diferenciado a eles”.

O principal receio por parte da UPB, segundo Carniel, é justamente a falta de oportunidade das categorias representadas serem ouvidas. “Nos causa preocupação estar sendo produzido um texto e não estarmos sendo ouvidos. Não queremos ter voz somente no parlamento, uma vez que isso pode gerar, inclusive, um desgaste para o próprio Governo, que teve como pauta principal nas eleições a segurança pública. Gostaríamos de ser consultados”, complementou.

Outros pontos abordados pelos membros da UPB foram: a importância do combate às fraudes previdenciárias, estancando todo ponto de sangria; a necessidade da pensão por morte aos policiais, que segundo representantes deveria ser considerada “cláusula pétrea”; a manutenção da atividade de risco; a diferenciação entre homens e mulheres; a necessidade de uma regra de transição justa. Além disso, considerar os trabalhos da CPI da Previdência, que no ano passado apresentou um relatório afirmando que não há o deficit alegado pelo governo.

Por fim, Pontel prometeu levar as preocupações apresentadas ao ministro Sérgio Moro. “Ficamos abertos nesse canal de interlocução. O diálogo precisa ser qualificado, como foi apresentado hoje. Respeitamos o posicionamento e vamos tentar e buscar o êxito, não só para vocês, como para todo o ministério”. Pontel ainda recebeu de Carniel a Carta aos Parlamentares, que também foi entregue aos parlamentares nesta semana na Câmara dos Deputados e Senado Federal sobre os números da PRF e posicionamento sobre a Reforma da Previdência.

Além do presidente da FenaPRF, participou da reunião representando a entidade e o sindicato dos PRFs de Goiás o diretor jurídico Marcelo Azevedo, assim como representantes da Associação dos Agentes Penitenciários do Brasil, a Central Única Nacional Associativa dos Policiais Federais, o Sindicato dos Policiais Federais do Distrito Federal, a Associação Brasileira dos Papiloscopistas da Polícia Federal, a Associação Nacional dos Servidores dos Policiais Federais, a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais, a Associação Nacional das Mulheres Policiais do Brasil, a Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, a Federação Nacional da Polícia Federal, a Confederação Brasileira dos Trabalhadores Policiais Civis e a Associação Nacional dos Escrivães da Polícia Federal.

UPB se reúne para as primeiras ações após surgimento de texto relacionado com Reforma da Previdência

Dirigentes da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), em conjunto com as outras entidades nacionais representativas dos profissionais de segurança pública do Brasil, reuniram-se, na tarde de quarta-feira (06), para deliberar sobre as primeiras ações em defesa dos direitos dos policiais para a Reforma da Previdência.

Apesar da negativa do governo em relação a um texto não-oficial, amplamente divulgado na imprensa e nas redes sociais, a União dos Policiais do Brasil (UPB) já se prepara para as discussões e debates que espera ter participação nos próximos meses sobre o tema.

Sobre o conteúdo compartilhado, a UPB não se manifestará, visto que não é um texto apresentado pelo governo e muito menos contemplou uma discussão, ainda que inicial, com as camadas da sociedade diretamente envolvidas, como as representadas pela UPB.

No encontro foi elaborada uma carta que será entregue, na tarde desta quinta-feira, ao Secretário Luiz Pontel, Secretário Executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, em reunião pré-agendada para já tratar sobre a Reforma Previdenciária.

A FenaPRF firma seu compromisso com o sistema sindical em permanecer atenta e participando deste importante processo de discussão sobre a reforma, e buscará, no tempo correto, a discussão nas bases para adotar as melhores estratégias.

Representando a FenaPRF estiveram presentes o presidente Deolindo Carniel, o diretor jurídico Marcelo Azevedo e os diretores de comunicação Fábio Jardim e Raphael Casotti.

FenaPRF se reúne com o Diretor de Administração e com o Coordenador Geral de Gestão de Pessoas da PRF

A Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) se reuniu na manhã da última quarta-feira (30) com o PRF Ciro Vieira Ferreira, nomeado para a nova Diretoria de Administração da PRF, responsável pelas áreas de Gestão de Pessoas, Infraestrutura, Tecnologia da Informação e Administração da PRF. Também estava presente o PRF Rômulo Fabrício Leite, novo Coordenador Geral de Gestão de Pessoas.
Durante a reunião, Deolindo Carniel, presidente da FenaPRF, destacou a importância da atividade de Gestão de Pessoas na PRF e seus impactos na vida dos Policiais Rodoviários Federais, e que por isso há uma grande atenção do sistema sindical com as ações desenvolvidas nessa área em âmbito nacional e regional.
Um dos temas da reunião foi a necessidade de ajustes na regulamentação do IFR, bem como o pagamento dos valores decorrentes dos plantões voluntários realizados em dezembro/2018.
Também foram discutidos diversos outros assuntos de grande relevância para a categoria, como a retomada das discussões sobre a Lei Orgânica da PRF, indenização de fronteira e revisão de normas internas (teletrabalho, progressão e promoção do servidor, jornada de trabalho, licença para atividade sindical e exercício de atividade privada por PRFs).
O presidente da FenaPRF classificou a reunião como positiva, diante da sensibilidade dos gestores em buscar soluções em conjunto com o sistema sindical para diversos temas com grande impacto na atividade do Policial Rodoviário Federal.
Além do presidente da Federação, estiveram na reunião o diretor financeiro Ricardo Sá, o diretor jurídico Marcelo Azevedo e o Deputado Federal e PRF Nicoletti.

Presidente da CONACATE prestigia treinamento da Diretoria da FenaPRF

Ao longo desta semana os diretores da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) realizam um curso de Negociação em Situações Complexas, com foco na melhor preparação dos representantes da categoria para enfrentar os desafios na defesa dos PRFs.

Nesta terça-feira (22), o presidente da Confederação Nacional das Carreiras Típicas de Estado (CONACATE), Antônio Carlos Fernandes Lima Junior, se juntou aos diretores da federação na aula ministrada pelo DIEESE.

Antônio Carlos agradeceu a oportunidade e parabenizou a iniciativa da FenaPRF, entidade membro da CONACATE, em buscar o aperfeiçoamento constante para enfrentar lutas em prol da valorização da categoria. Ele destacou: “no cenário desafiador que estamos atravessando, a FenaPRF dá um passo à frente, com a profissionalização de seus dirigentes. O nosso caminho é demonstrar à sociedade a importância das estruturas do Estado. Demonstrar que estão aptas a prestar um serviço de qualidade. Desta forma traremos a sociedade para a defesa da valorização do servidor.”

Diretoria da FenaPRF realiza aperfeiçoamento visando os desafios na defesa da categoria

O começo do ano de 2019 iniciou em alta no cenário político brasileiro, com um novo Governo e novas diretrizes na política nacional.

Com a iminência dos desafios em torno da Reforma da Previdência e o aprofundamento do arrocho fiscal nas contas públicas, o funcionalismo público segue sendo vilanizado nos discursos políticos e jornalísticos.

Para enfrentar técnica e politicamente os desafios em defesa dos policiais rodoviários federais, os diretores da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) iniciaram 2019 realizando aperfeiçoamento.

O curso de Negociação em Situações Complexas, oferecido pelo DIEESE, está sendo ministrado aos representantes sindicais na cidade de São Paulo/SP.

Os dirigentes também realizam, nesta semana, uma atualização do Planejamento Estratégico da entidade, definido para o período 2018 a 2020.

Para o presidente da federação, Deolindo Paulo Carniel, o sistema sindical dos PRFs precisa se atualizar constantemente para seguir oferecendo resultados positivos na defesa da categoria. “A cada ano os PRFs se destacam mais e mais na entrega de um serviço de excelência à sociedade brasileira, e nós, enquanto representantes da categoria, precisamos manter um esforço permanente para enfrentar os múltiplos desafios na luta pela valorização dos policiais rodoviários federais”, explicou.

Membros da UPB reafirmam luta contra a Reforma da Previdência

As entidades que compõem a União dos Policiais Brasileiros (UPB) se reuniram na manhã da segunda-feira (14) para discutir as ações que serão tomadas em relação ao posicionamento do Governo eleito em planejar uma nova Reforma da Previdência.

Os membros presentes reafirmaram o compromisso em buscar formas de levar ao novo governo as peculiaridades da carreira policial e sua atividade de risco, como, por exemplo, a menor expectativa de vida dos policiais em relação ao restante da população brasileira.

Ficou definido o envio de ofícios aos ministros envolvidos diretamente com a referida reforma, além da necessidade do envolvimento dos respectivos órgãos de segurança pública que são representados pelas entidades de classe que compões a UPB.

O vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), Dovercino Neto, ratificou o objetivo principal da UPB: “lutar pela manutenção dos direitos previdenciários dos operadores de segurança pública no país”.

Sinpol-DF, Sindepol-DF, Sindipol-DF, FenaPRF, Fepanef, Fenadepol, CONGM, Cobrapol, Centrapol, APCF, Ansef, ANEPF, ADPF, Ampol, Abrapol e ABC.

FenaPRF se reúne com futuro ministro da Casa Civil

A FenaPRF se reuniu com o Ministro Extraordinário de Transição, deputado Onyx Lorenzoni, na tarde da última quarta-feira (19) para discutir pautas de interesse dos policiais rodoviários federais. O encontro aconteceu no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, sede do Governo de Transição.

O principal tema discutido com o futuro ministro da Casa Civil foi sobre a reforma da previdência. O vice-presidente da FenaPRF, Dovercino Borges Neto, explicou a Onyx Lorenzoni a preocupação dos policiais com a pauta. “Todas as notícias veiculadas atualmente se referem aos militares. Mesmo nós sendo uma polícia ostensiva e que trabalha uniformizada não somos incluídos nesta categoria. Os policiais civis também merecem atenção”, afirmou o dirigente sindical.

Onyx garantiu que a mudança previdenciária será gradual e que os policiais não serão prejudicados pela reforma.

Além da reforma da previdência, outra pauta que ganhou relevância na reunião foi o embarque armado de policiais em voos domésticos. Lorenzoni destacou que é um tema que ele próprio dará atenção durante o futuro governo. O futuro ministro elogiou o Projeto Segurança Pública Integrada da PRF.

Foi entregue a Onyx Lorenzoni um ofício solicitando encontro com o mesmo após ser empossado oficialmente como ministro de estado.

Além do Vice-Presidente, Neto, o Diretor de Finanças da FenaPRF Ricardo Sá também participou do encontro.

FenaPRF realiza última AGE do ano com a presença do Diretor-Geral da PRF

Diretores dos sindicatos filiados à Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) se reuniram nesta semana, em Brasília, para a última Assembleia Geral Extraordinária de 2018. O evento contou com a presença do Diretor-Geral da PRF, Renato Borges Dias, além da tratativa de diversas pautas que envolvem a PRF.

Na terça-feira (11), o conselho de representantes e a diretoria executiva trataram sobre a Instrução Normativa 02/18, do Ministério do Planejamento, e de ações que envolvem a segurança pública que estão no Tribunal de Conta da União, como a aposentadoria policial.

No mesmo dia, o Instituto Guimarães e Planejamento e Pesquisa apresentou uma atualização da pesquisa, apontando uma nova radiografia sobre a imagem da PRF na sociedade brasileira. Os dados da pesquisa, que apontaram um crescimento positivo na avaliação do trabalho do PRF, serão divulgados ao público externo em breve.

No último dia da AGE, o Diretor-Geral da PRF, Renato Borges Dias, fez uma apresentação com o balanço de sua gestão. Nomeado no fim de janeiro de 2017, Renato será substituído pelo PRF Adriano Marcos Furtado, nome já confirmado pelo futuro ministro da justiça, Sérgio Moro, e pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro.

A agenda das atividades do conselho para 2019 ainda será definida pela diretoria executiva.

Vice-Presidente da FenaPRF abre a IV Oficina de Lucro Social em Brasília

O vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), Dovercino Borges Neto, abriu nesta quinta-feira, (13/12), a IV Oficina de Lucro Social – Ferramenta de Negociação e Transparência no Setor Público, agradecendo a parceria com o Sindicato Nacional dos Servidores do Inmetro (ASMETRO-SN), que elaborou a metodologia aplicada há cerca de 10 anos, a partir de pesquisas e estudos.

O vice-presidente da FenaPRF, Dovercino Borges Neto, lembrou que o trabalho da categoria tem 85% de aprovação da sociedade. A partir da utilização dos indicadores do lucro social, ele acredita que o porcentual será ampliado. “Buscamos o aperfeiçoamento, a qualidade e o reconhecimento de nosso trabalho”, disse.

O presidente do ASMETRO-SN, Sergio Ballerini, parabenizou a Federação pelo interesse em realizar a oficina com a entidade. “Hoje, a Federação é o protagonista da oficina, o que muito nos honra”, comentou. A IV Oficina está sendo realizada até sábado (15), no Villa Velluti Hotel, em Brasília, reunindo cerca de 35 representantes de 12 Sindicatos dos Policiais Rodoviários Federais em todo o país, do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Inmetro.

A oficina objetiva transferir à Polícia Rodoviária Federal, através de sua Federação, mecanismos para elaboração de indicadores de lucro social capazes de serem utilizados para apresentar à sociedade a importância das ações desempenhadas pela instituição. De que forma? Apresentando números concretos de seu desempenho, através da metodologia do Lucro Social da PRF como uma ferramenta de transparência das ações sociais para aproximação com os diversos setores da sociedade e, por parte dos sindicatos e associações, em mesas de negociação.

A origem
A história do lucro social vem de longe: “é um conceito adaptado do modelo Embrapa e consiste na criação de indicadores sociais devidamente validados e alimentados por bases de dados críveis, elaborados por profissionais com profundo conhecimento de suas respectivas áreas e instituições”, lembra Rodrigo Ozanan, secretário geral do ASMETRO-SN.

Na definição do Sindicato, lucro social é “quantificação do retorno e/ou economia, em prol da sociedade, dos investimentos feitos em função da ação de um órgão governamental, quer seja diretamente, através das ações de fiscalização, regulação e controle, ou indiretamente, através de desdobramentos de duas ações”.

“Outro objetivo da IV Oficina é trazer à tona os números, a abrangência e o impacto das ações da Polícia Rodoviária Federal junto à sociedade para que possam ser utilizadas como moeda de troca de alto valor agregado em mesas de negociação com o governo federal, ou seja: utilizar o Lucro Social como uma ferramenta de negociação”, lembrou Ballerini.

Finalmente, mas não menos importante, observou, visa possibilitar ao gestor, através do entendimento correto do processo e do impacto do desdobramento de suas ações nos processos, a análise mais correta dos recursos da instituição. “Para isso, é necessário maximizar seu potencial no cumprimento de missão institucional, ou seja: utilizar o Lucro Social como mais uma ferramenta de gestão”.

Ballerini lembrou que em geral, a luta por direitos leva a enfrentamentos e manifestações, enquanto a necessidade de negociação fica em segundo plano, porque não há produto a se apresentar. “Se nossa instituição é forte, nós seremos fortes”, destacou. No que se refere a “ponto de vista”, ele lembrou que na visão da sociedade, os policiais rodoviários federais são apenas guardas. “Mas vocês podem dar mais visibilidade à sociedade em relação ao que fazem. Devem mostrar à sociedade os projetos e produtos mais nobres que têm”.

Temas da oficina
A IV Oficina aborda temas de grande interesse dos policiais rodoviários federais, com a participação de especialistas em cada um dos temas debatidos, estudos de caso, mesa redonda, elaboração e apresentação do esboço de cada indicador de Lucro Social da PRF. Entre os temas: A visão da população sobre o funcionalismo público; Sustentabilidade e os Desafios da Transparência; Conceito de Lucro Social, a importância do domínio da mesma e seu potencial impacto em negociações sindicais; Ferramentas necessárias para identificação dos processos relevantes da PRF e elaboração de indicadores de lucro social; e a Criação dos indicadores de lucro social da PRF para os processos identificados na oficina.

IV Lucro Social