Competitividade não justifica precarizar direitos, defendem especialistas