Endividamento de consumidores e “financeirização da pobreza” preocupam especialistas