Na OEA, Brasil afirma que resistência seguida de morte é ‘homicídio’