“No Brasil se julga mais quem cometeu o crime do que o ato em si”, afirma especialista