Para Cristovam, Copa revela ‘corrupção nas prioridades’