Perda de fôlego da economia faz Fisco apostar em crescimento de apenas 2%