Pesquisadora brasileira vê abismo entre tecnologia e mulheres