Servidores: ingerência política ou autonomia técnica?