Transporte não avança, um ano após “faxina”